O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. Recreio (21) 2420-5032 / 2437-6800 / 3546-5198    Copacabana (21) 2548-6104

Tendinite Calcária

Introdução:

Depósitos calcificados (fosfato de cálcio ou carbonato de cálcio), podem ocorrer em qualquer tendão principalmente em sua junção com o osso. O ombro é o principal sítio do corpo onde acontece esses depósitos. Na maioria das vezes, isto é atribuído a tensão do tendão acima da cabeça do úmero, aos traumatismos repetitivos do tendão em baixo do acrômio, e ao diminuído aporte sanguíneo, com resultante depósito de cálcio no tecido colágeno necrótico.

 

Incidência:

Raro antes dos 25 e após os 60 anos. Eventualmente os depósitos são reabsorvidos ou desaparecem. A mais comum localização no ombro, é no tendão do SE, seguido pelo IE e ocasionalmente pelo SU e raramente pelo tendão do tríceps. Mais comum em mulheres do que em homens. Bosworth examinou 6061 pacientes, e encontrou 2,7% de incidência.

Formas:

Peritendinite calcária pode aparecer em 03 formas:

- Depósito de pó seco: forma crônica.
- Depósito tipo pasta de dente: Produz um crônico desconforto que agravasse com impingimento na abdução.
- Depósito leitoso ou cremoso: Usualmente sobre pressão. Fase aguda e dolorosa. O depósito é acompanhado de sinovite e bursite.

Curso Clínico:
RX mostrando a calcificação

1 - Fase silenciosa (crônica): O depósito pode permanecer sem dor e eventualmente ser absorvido. Pode continuar como único ou multiplicar-se.
2 - Fase recorrente (impingiment): Quando o depósito aumenta à um ponto que impinge contra o arco acromial, começa a aparecer dor na abdução ou na elevação e rotação.
3 - Fase aguda: Por alguma razão a fase crônica transforma-se em uma fase aguda dolorosa. Ocorre nas mais impróprias horas e comparada com a dor da pancreatite e do infarto. Aparência clinica de uma infecção aguda. O ombro esta inflamado, quente e extremamente doloroso a manipulação.

Tratamento:

Estágio agudo: Gelo a cada 02 horas por 15 minutos + Analgésicos derivados da morfina + tipóia. A dor pode melhorar com 48 a 72 horas. A massa de calcificação pode romper-se para dentro da bursa subacromial ou continuar no tendão e ser gradualmente reabsorvida. Pode também aquietar-se e retornar algum tempo depois com todo vigor. Se a dor continuar após 72 horas, a injeção subacromial esta indicada. Não recomenda-se nova injeção devido a dor que ela provoca numa região já inflamada. Não é necessário a punção do depósito de cálcio para obter alivio da dor. A injeção no aspecto posterior do ombro é menos doloroso que na região anterior.

Estágio subagudo e crônico: Quando a dor se torna crônica, uma adicional injeção pode ser tentada. Em casos de a dor continuar, ou agudizar-se, ressecção do deposito de cálcio deve ser considerada por via aberta utilizando-se o mesmo acesso clássico de Neer para cirúrgia do impingiment ou por via artroscópica. Deve-se reparar o defeito no manguito, após retirada a calcificação.

Síndrome de Impingiment: Quando a múltiplas calcificações no tendão e a bursa tornar-se espessada causando impingiment subacromial, deve-se pensar em acromioplastia com ressecção do ligamento coracoacromial e retirada das calcificações do tendão.

Diagnóstico Diferencial:

Avulsão da grande tuberosidade, tumores que produzem cálcio.

 

Subir